Recepção na Militia Sanctae Mariae

Recepção na Militia Sanctae Mariae

Recepção na Militia Sanctae Mariae

Por João Batista Passos
Escudeiro Donato
Militia Sanctae Mariae

Iniciamos o relato de alguns detalhes em um tempo que antecede a própria recepção e que mostra que eu e todos os demais membros da Militia Sanctae Mariae no Brasil encontram-se em dívidas com a Nossa Suserana, que mostrou aos seus servos pequeninos a sua face e a sua terna proteção maternal.

A recepção teve diversos contra-tempos, desde a definição de datas, locais, pessoas envolvidas e os hábitos. O tempo ia passando e detalhes necessários pareciam não se resolverem. Não tínhamos um local para nos reunirmos, não tínhamos em definitivo um Sacerdote que acolhesse e atuasse a MSM e seus membros da maneira como se deveria, não tínhamos uma Igreja para sermos acolhidos, não tinhamos os modelos dos hábitos, não tínhamos quem assumisse esta responsabilidade, pois no Brasil, ninguém ainda conhecia um hábito de Freire ou de Escudeiro. Nos mantemos em trabalho, pensando, pedindo e confiando tudo nas mãos de Nossa Senhora.

Após encontros de alguns membros da MSM no Brasil com um Sacerdote, que mais tarde lhe citarei, os caminhos da Militia começaram a se abrir e tudo começou a se encaminhar, ou seja, sinal de que a Militia Sanctae Mariae tem o seu habitat dentro da Igreja e só por meio dela e nela e para ela é que tudo poderia acontecer e a partir de então, marcadamente, após a conversa com o Sacerdote e após a conversa informal com o Cardeal de São Paulo, na qual fora apresentada a MSM e seus ideais cristãos na Terra de Santa Cruz, que aliás, encontrou naquele breve momento informal com a simpatia pessoal do Cardeal. A partir destes dois pontos, sempre pautados em gestos de vontade e de liberdade por parte dos membros da MSM, a Divina Providência e Providência Maternal de Maria, Mãe do Redentor, começaram a agir com grande gratuidade e por isso e em tudo, rendemos louvores a Deus e sentimo-nos ainda mais, obrigatoriamente (não pela obrigação em si, pois desejamos fazer tudo com amor e liberdade, como forma de retribuição e de serventia) compromissados nos serviços que iriamos receber.

Tudo se encaminhou, a MSM no Brasil começava o seu caminho. Poderíamos pensar que o caminho havia começado há um tempo atrás, quando os primeiros servos de Nossa Senhora foram consagrados através da MSM. Não. Até então, os membros da MSM trabalharam para quererem, para demonstrarem atos de vontade e de prepararem esta caminhada, como num período de escuta, de discernimento, de preparação, de perguntas feitas com sinceridade e respostas dadas com convicções.

Todos os pontos que pareciam difíceis, travados, foram desfeitos, as vias estavam prontas para a nossa caminhada.

Os hábitos, que até então não tinha ninguém que os confeccionassem por não se terem modelos prontos, foram confeccionados em uma cidadezinha do interior de Minas Gerais, tarefa acompanhada de perto por Nossa Senhora, que nas palavras da costureira, Dona Nora, “fazer estes hábitos foi uma grande graça”.

Pela graça de Deus, podemos conhecer e conversar com os Sacerdotes da Paróquia Santa Cecília, em especial o Cônego Alfredo, que nos receberam com grande gratuidade no Salão Nobre da Paróquia, com o qual, a Milícia de Santa Maria estabeleceu imediatos sentimentos de afeto e de agradecimento.

Recepção na Militia Sanctae Mariae

Colóquio no Salão Nobre

O Sacerdote que relatei no início, que nos dirigiu como proceder e assim, desde aqueles conselhos nos abençoou, foi o Padre Fábio Fernandes, que nos recebeu prontamente e de maneira muito carinhosa na Paróquia Santa Generosa e nos solicitou que empreendemos um combate dotado de uma santa intransigência com relação ao pecado. Não temos em absoluto palavras para agradecer a abertura das portas da Igreja Santa Generosa, que não deixa de ser a alusão perfeita de que a Milícia de Santa Maria no Brasil entra pelas Portas da Igreja Católica e a nela inicia os seu caminhar, os seus serviços, a sua peregrinação e a sua missão, para alargar cá embaixo as fronteiras do Reino de Deus.

É preciso dizer também, do grande espírito de cordialidade e fraternidade destes dias. Pessoas que na maioria dos casos se encontraram pessoalmente pela primeira vez, com aquela sensação exata de se conhecerem há muito tempo, demonstrando claramente que a fraternidade em Cristo nos une, nos aproxima e nos fazem irmãos, transparecendo assim, que a única e verdadeira forma de se estabelecer uma fraternidade universal entre as pessoas é por meio de Cristo, de sua Igreja e da presença materna da Santíssima Virgem Maria, nossa Mãe.

Recepção do escudeiro João Batista

Recepção do escudeiro João Batista

Não podemos concluir esta pequena lauda, sem falar da extraordinária figura de nosso Provincial, o sr. Carlos Aguiar, que não mediu esforços para estar conosco, e ao cruzar o Atlântico, nos alegrou trazendo toda a genes da Militia Sanctae Mariae, um encontro essencialmente fundamental para a MSM Brasil, pois pode nos transmitir com grande fecundidade carga de Fé, Sabedoria e Militância enraizadas na Fé Católica da Militia. Deus o recompense pela enorme generosidade para com os membros da MSM Brasil.

Somos gratos a todas as pessoas que nos auxiliaram, que confiaram em nós e na proposta de vida regular e militante (Ora et Labora) da Militia Sanctae Mariae.

Pax et Fides!

Mais imagens e reportagem, podem ser vista na Agência Motus Liturgicus.