Obrigado, São João Paulo II

Obrigado, São João Paulo II

 Por Carlos Aguiar Gomes

Provincial

 A handout picture shows a portrait of Po

 

Pouco tempo antes de morrer, o Papa João Paulo II confidenciou ao Cardeal Cafarra que, depois da sua morte, gostaria de ser recordado como o Papa da Vida e da Família. De facto, a marca do seu longo pontificado é e  será o empenho constante, veemente e corajoso na defesa, promoção e valorização da vida humana, da concepção à morte natural e da Família, como comunidade de vida e de amor, baseada na relação natural de um homem e de uma mulher. Nunca temeu ser “ politicamente”  incorrecto quando era necessário tomar a defesa destes valores. Os valores estruturantes de toda e qualquer sociedade e dos quais depende o futuro da humanidade.

A herança fabulosa de S. João Paulo II é muito forte e mantém-se e manter-se-á actual. As suas orientações para o entendimento e pastoral da Vida e da Família têm o mesmo vigor de quando foram publicadas.

Continuarão a ter premência a Exortação Apostólica “ Familiaris Consortio”, a Encíclica “Evangelium vitae”, a Carta dos Direitos da Família ou a Carta às Famílias a propósito do Ano Internacional da Família. A este Papa, neste âmbito da Vida e da Família, se devem os Encontros Mundiais do Papa com as famílias, o Conselho Pontifício para a Família ou a Academia Pontifícia para a Vida .E como não referir as suas catequeses sobre a teologia do corpo?

Não houve uma única visita pastoral aos 139 países que visitou em que não deixou de abordar estes temas que lhe eram tão caros! Recordo, meramente como exemplificação, a visita apostólica que fez a Portugal em 1982. Nesse ano, no dia 15 de Maio e em  Braga, no santuário do Sameiro, proferiu uma homilia vigorosa e destemida,  integralmente dedicada à Família ( como seria útil homenagear João Paulo II relendo esta homilia! ). E nesta, o Papa, não se limitou a propor teorias. Deixou reptos directos para a acção, sobretudo aos Pais relativamente à educação dos filhos.

Ficou célebre a frase da sua autoria que, parecendo simples, é extremamente profunda e oportuna: “ o futuro da humanidade passa pela Família!”. E no Congresso e Encontro Mundial  das Famílias com o Papa, no Rio de Janeiro, dizia, “… se o caminho da Igreja é o Homem, a via mais rápida e eficaz para chegar ao Homem, é a Família”.( Tive o privilégio de, com minha Mulher, ter participado neste grande evento mundial, a convite do saudoso Cardeal Alfonso Trujillo, Presidente do Conselho Pontifício para a Família).

Guardo na memória a imagem deste Papa já frágil pela idade, apoiado numa bengala, a levantar a voz e dizer, com a força e convicção que lhes eram características, esta frase que jamais poderei esquecer! Por isso, a minha profunda gratidão a este Papa que se não nos tivesse legado mais nada – e foi imenso, tocando muitas outras áreas –  só o muitíssimo que nos ofereceu relativamente às causas determinantes da Vida e da Família, chegariam para ficar na História da humanidade. E que dizer da sua preocupação em que se encontrasse um casal para ser beatificado e, assim, ser apresentado, para o nosso tempo, como modelo, o que sucedeu com o casal Quatrocchi? Ou ver o seu entusiasmo com a canonização da médica e mãe de Família, Sta Joana Beretta Molla, que quis apontar como referência na luta pela vida ?

Obrigado S. João Paulo II. A minha gratidão não tem limites!