Carta às Famílias I

Como companhia regular e militante, a Militia Sanctae Mariae – Cavaleiros de Nossa Senhora deseja lutar contra as ideologias que assolam o mundo atual descristianizando-o. Um dos principais alvos destes ataques é a família, por isso, a  Militia Sanctae Mariae – Cavaleiros de Nossa Senhora deseja unir-se na luta da defesa pela família. Abaixo há um primeiro artigo sobre o assunto do provincial Carlos Aguiar Gomes, de Portugal.

CartaAsFamilias131

Carta dos Direitos da Família

Passa este ano o 30º aniversário da CARTA DOS DIREITOS DA FAMÍLIA. Como escreveu na Apresentação, o saudoso Cardeal Alfonso Trujillo, que foi Presidente do Conselho Pontifício para a Família, de uma edição feita pela Associação FAMÍLIAS, “o seu cumprimento é condição para uma sociedade sã e para que os próprios Direitos do Homem não fiquem numa mera formulação quase retórica, sem a real universalidade e obrigatoriedade no seio da família humana”.

Na realidade, os dados do quotidiano mostram-nos, sem qualquer margem de dúvida, que a sociedade se encontra gravemente enferma e piora cada dia que passa, ao ritmo da desagregação da família por falta do conhecimento, respeito, promoção apoio e vivência dos direitos desta célula estruturante de qualquer sociedade humana de que é a base, fundamento e princípio.

Dá-nos a ideia (mesmo a certeza!) de que há muitos sectores da nossa sociedade que têm como objetivo principal e prioritário do seu agir a destruição da Família para, assim, dominar e manipular a seu  gosto essa mesma sociedade que querem, sem o dizer, de pensamento único.

No campo da Família e, obviamente da Vida, creio que não restam dúvidas de que os ataques diretos e subreptícios à estrutura, funcionamento e direitos da Família são mais do que evidentes. Mesmo, olhando a Família à luz do funcionamento da própria natureza, numa época tão sensível à sua proteção!…

A Carta dos Direitos da Família, em que a família é proposta “como bem próprio da humanidade” (Card.Trujillo,l.c.),torna-se, pois, neste contexto atual, um desafio, um imperativo para conhecer, estudar e divulgar.

A Carta dos Direitos da Família é uma rota segura, um caminho obrigatório e um rumo indispensável para que se promovam o seu respeito, reconhecimento e observância, para bem de cada pessoa, de cada família e de cada uma e de todas as comunidades humanas.

No Ano Internacional da Família (1994) escrevi que “o coração do mundo pulsa na Família. De facto, as arritmias de que padece este nosso tempo, a todos os níveis, resultam do mal-estar e demolição a que têem submetido a Família, face a muitos silêncios e indiferenças.

… Se o futuro da humanidade passa pela Família, e passa mesmo, como tão bem dizia o Beato João Paulo II, o maior apóstolo da Vida e da Família, então, aproveite-se bem este ano para conhecer e difundir a CARTA DOS DIREITOS DA FAMÍLIA, neste seu 30º aniversário.